O menino com a lua na cabeça

Manu era bem distraído. Às vezes ele dizia que queria andar de bicicleta no parque, mas aí distraía, pegava papel, caneta e começava a desenhar. Depois ia calçar os sapatos e botava eles trocados. As meias nunca tinham o par certo, mas isso era de propósito, porque ele gostava de vestir meias diferentes.

Um dia Manu estava procurando sua meia alaranjada de marciano, pra botar com a preta estrelada, e a mãe viu e falou:

“Menino, tá no mundo da lua? A meia já tá no seu pé!”

O Manu sentou e pensou que andava mesmo no mundo da lua, viajando no espaço entre planetas, cometas, satélites, foguetes, extraterrestres e a lua mesma, redonda e luminosa. Aí, logo que ele imaginou a lua, aconteceu uma coisa muito interessante: uma luazinha pipocou pra fora da sua imaginação e ficou ali, grudadinha, bem perto da sua cabeça.

Aquilo deu uma felicidade incrível pro Manu. “Uma lua todinha pra mim! Vou poder guardar uma porção de ideias nela e assim não perco!”

Depois que ganhou essa lua, o Manu guardava mesmo muitas ideias, coisas que descobria, coisas que aprendia, coisas que inventava. E ele ficava tão animado com tantas ideias assim iluminadas, que corria pra lá e pra cá, um sorrisão no rosto, dividindo as ideias com os amigos.

O tempo foi passando, o Manu cresceu e resolveu estudar pra ser professor. Quer dizer, ele juntou bastante ideia na sua lua, pra poder dividir com os alunos. Mas, logo no primeiro dia de aula, aconteceu um problema: Manu se distraiu, deixou a lua na mesinha de cabeceira e, ao invés dela, levou o livro que estava na mesinha.

Nervoso, entrou na sala de aula e encarou os alunos. E os alunos… começaram a rir!

“O professor tá com as meias trocadas!”, um falou, enquanto a turma toda continuava rindo.

Manu olhou pras meias, olhou pros alunos, olhou pras meias, olhou pros alunos, e acabou se juntando a eles na risada. Ele achou que era mesmo divertido usar meias que divertiam!

O melhor foi que, quando Manu abriu o sorrisão, as ideias também foram se abrindo, mesmo sem a lua por perto. Então o Manu entendeu que ele podia sempre buscar as ideias na sua lua, até se o pensamento tivesse que ir bem longe.

Agora, Manu resolveu deixar a lua ali mesmo na cabeceira, pra usar também como luminária, quando ele quer ler de noite. E, sempre que precisa, ele busca lá umas ideias pras aulas. Outro dia ele deu uma aula tão boa sobre o espaço sideral, que um aluno comentou no fim: “Manu, acho que você é o melhor professor do planeta!”.

meninolua pSobre o ilustrador: Thomas Cozendey Simpson, por ele mesmo: Eu tenho quatro anos. Eu gosto de colorir e fazer desenhos sozinho; gosto de avião, de ir dentro deles e se tiver televisão; gosto do barulho das árvores com as folhas batendo; gosto de fazer coisas de papelão e tudo; gosto do gangnam style e quando eu crescer eu quero ser um ilustrador ou builder. 1725270011002003004005006007008009000000000. (E gosta de escrever números malucos no computador!)

Obs. Essa história foi criada em cima do desenho do Thomas, então, de certa forma, é o texto que ilustra a ilustração!

 

Anúncios

3 respostas em “O menino com a lua na cabeça

  1. Adorei a história. Adorei a ilustração da ilustração. E adorei a ilustração. Só não gostei do nome do personagem. Em geral, implico com os nomes desses personagens. O resto tá ótimo, queria uma lua dessas pra levar pra aula amanhã…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s